O que é e como investir em ETF?

ETF

 

Se você se interessa por acompanhar índices do mercado e gosta de planejar resultados a longo prazo, o ETF pode ser uma aplicação interessante para você.

ETF é a sigla para Exchange Traded Fund, mais conhecido no Brasil como “Fundo de Índice”. É um tipo de investimento que está no mercado há bastante tempo, mas que passou a ser mais comentado com o surgimento dos primeiros ETFs de criptomoeda nos últimos anos.

A partir de agora, vamos explicar o que é e como funciona esse investimento. Então, você vai poder decidir se é uma boa opção para você.

O que é ETF?

O Exchange Traded Fund foi criado no Canadá, no início da década de 90. De forma prática, trata-se de fundos passivos que buscam replicar a carteira de um índice de referência no mercado financeiro.

Desde a sua criação, o ETF ganhou impulso rapidamente nos mercados de vários países, a começar pelos Estados Unidos. O sucesso seguiu em outras potências econômicas, como Japão, Hong Kong, Alemanha, Reino Unido e Espanha.

Estima-se que há pelo menos 4 mil ETFs negociados em cerca de 50 países. Esses números levam a uma movimentação global de aproximadamente US$ 3 trilhões.

Apesar de mais modesto, o cenário no Brasil tem crescido bastante. O ETF está disponível no país desde 2004. Parte do sucesso desta aplicação por aqui tem sido justamente a forma de replicar o comportamento de índices como o Ibovespa na gestão dos ativos.

Como funciona a aplicação em ETF?

Os ETFs são negociados na bolsa de valores. Assim como acontece em diversos outros fundos disponíveis no mercado financeiro, a negociação é realizada através de cotas.

No nosso país, um ETF é composto por um conjunto de ativos de diversas naturezas possíveis. Essas posições são negociadas de forma consolidada, de acordo com um índice de referência reconhecido pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

LEIA TAMBÉM: Vale a pena investir em IPOs? Qual o potencial de retorno?

Um dos benefícios de investir em ETF é que essa aplicação não requer tanto conhecimento quanto o investimento direto em alguma ação, por exemplo. Não é preciso tanta experiência e informação para escolher os ativos mais promissores para investir, uma vez que o ETF já representa um conjunto de ativos.

Ou seja, o ETF é também uma boa oportunidade para quem quer diversificar a sua carteira de investimentos – e fazer isso com a segurança de não estar aplicando o seu dinheiro em uma só empresa.

Alguns dos principais ETFs negociados na Bolsa de Valores brasileira são:

  • BOVA11 (Ishares Ibovespa Fundo de Índice)
  • HASH11 (Hashdex NASDAQ Crypto Index Fundo de Índice)
  • BRAX11 (Ishares IBrX – Índice Brasil [IBrX-100] Fundo de Índice)
  • IVVB11 (Ishares S&P 500 Fundo de Índice)
  • GOLD11 (Trend ETF LBMA OURO Fundo de Índice)
  • ESGB11 (BTG Pactual ESG Fundo de Índice – S&P/B3)
  • SMAL11 (BM&FBOVESPA Small Cap Fundo de Índice)
  • PIBB11 (PIBB Fundo de Índice Brasil – 50 – Brasil Tracker).

Você pode conferir a lista completa dos ETFs no site da B3.

O que caracteriza o investimento em ETF?

Você já viu que diversificação e segurança são algumas das características desse tipo de aplicação. Confira agora de forma mais detalhada como o ETF atua em relação a esses e outros indicadores, para que você descubra se esse é um investimento compatível com o seu perfil.

– Liquidez

A liquidez dessa classe de ativo depende de qual papel está sendo considerado. Algumas posições bem populares como o BOVA11, IVVB11 e SMALL11 possuem um grande volume de negociações. Todavia, novos ETFs estão sendo constantemente adicionados ao portfólio da B3 e, por isso, alguns índices podem ser mais restritos do que outros em relação a esse critério.

– Diversificação

Essa é normalmente a principal característica do ETF. Ao investir nesse tipo de aplicação, você investe em uma carteira com várias posições, sem precisar comprar e vender os ativos de forma individual. Além disso, você não precisa se preocupar com o balanceamento desses papéis, uma vez que a composição do ETF segue o direcionamento de um índice específico no mercado.

– Transparência

É possível acompanhar a composição e verificar a carteira do ETF diariamente. Ou seja, há informações disponíveis para que você saiba o que está acontecendo. Por isso, os ETFs são considerados uma opção bastante transparente.

– Baixo custo

Os valores das taxas de administração dos ETFs costumam ser menores do que 0,5% a.a. Isso é menos do que a maioria dos Fundos de Investimento, que podem chegar a até 3% a.a ou mais.

– Imposto de renda

A tributação sobre o ETF é a mesma que incide sobre ações: 15% sobre o ganho de capital. Isso representa a diferença entre o valor de compra e venda das cotas.

Vale a pena investir em ETFs?

Agora que você já conferiu as principais características desse tipo de investimento, é possível ter uma ideia do quanto ele pode beneficiar os seus rendimentos.

Como afirmamos no início deste texto, o ETF é uma aplicação interessante para quem investe em renda variável. Nesse sentido, é um investimento menos volátil do que ativos isolados da bolsa de valores.

Para investidores iniciantes, o mercado de ETF é ainda mais atraente, pois permite o acesso a uma carteira diversa com baixo custo. Em outras palavras, você não precisa se preocupar com grandes aportes para iniciar o investimento. Por isso, essa classe de ativos é muito boa para se começar na renda variável.

Se essa modalidade de investimentos faz sentido para o seu planejamento financeiro, você pode começar a lucrar agora mesmo. Converse com um dos assessores financeiros da Faz Capital e saiba mais sobre essa novidade que tanto cresce no mercado de ações brasileiro.

5/5 - (1 vote)

Conteúdos relacionados

Preencha o formulário para iniciar o download