A Riqueza das Nações de Adam Smith

A Riqueza das Nações de Adam Smit

O texto base do liberalismo econômico deu a Adam Smith o título de um dos maiores pensadores e economistas de toda a história. O que Isaac Newton conseguiu realizar com a ciência natural, Smith realizou com a filosofia moral, tratando a economia como um organismo com vida própria. 

Afinal, quem nunca ouviu o famoso conceito da “mão invisível”, não é mesmo?

Prepare-se, nesse artigo você vai entender como A Riqueza das Nações mudou a forma como vemos a economia e contribuiu para a formação de muitos conceitos que são utilizados na nossa sociedade atual.

Neste texto você vai aprender:

Quem é Adam Smith?
O contexto histórico de A Riqueza das Nações
Adam Smith não foi o único
Por trás de A Riqueza das Nações
A Riqueza das Nações ficou para a história

Quem é Adam Smith?

Adam Smith

Adam Smith é considerado o pai do liberalismo. Suas obras influenciaram diretamente em áreas como crescimento econômico, ética, educação, divisão do trabalho, livre concorrência, evolução social e outras fundamentais.

Além disso, Adam também pode ser considerado um dos formadores do estágio atual em que se encontra a globalização.

Smith era formado em filosofia e ministrou aulas de retórica e filosofia na Universidade de Glasgow. Em 1758, ele chegou ao posto de reitor da instituição, e foi nesse período que Adam escreveu uma de suas principais obras, A Teoria dos Sentimentos Morais.

Para muitos, esse foi o livro de que ele mais tinha orgulho de ter escrito, tanto que trabalhou nele até o fim de sua vida. O foco principal da obra é voltado para o comportamento do homem; ele analisou criticamente o pensamento moral de sua época, além de propor que a consciência surge a partir das relações sociais.

Durante alguns anos, Smith foi tutor do duque Duccleuch. Nesse período ele morou entre a França e a Suíça, e foi nessa época que se deparou com novos tipos de pensamentos, inclusive o conceito iluminista.

Em 1767, com o retorno de Adam para o Reino Unido, dedicou seu trabalho ao estudo da economia. Quase dez anos depois, em 1776, Adam Smith lançou A Riqueza das Nações, que viria a ser sua obra de maior sucesso.

O contexto histórico de A Riqueza das Nações

O livro A Riqueza das Nações de Adam Smith foi o primeiro grande marco para a fundamentação teórica na defesa de uma economia de mercado, e isso se deve à época na qual o livro foi escrito, que era farta de acontecimentos e descobrimento de novas ideias. 

A Europa e os Estados Unidos viviam um período de ebulição cultural, econômica, política e social. Era o surgimento das primeiras indústrias, da produção em massa e das rebeliões nas colônias europeias. Para termos uma ideia, a independência dos Estados Unidos ocorreu no mesmo ano da publicação do livro de Smith.

A situação também era efervescente nas Américas Central e do Sul, com movimentos separatistas dos países colonizadores. Afinal, tanto colonos quanto trabalhadores queriam ter total controle sobre a produção e venda dos seus produtos, e já não aceitavam de bom grado a presença constante do Estado – reinos e impérios – cobrando altos impostos.

Smith foi percebendo aos poucos que o mercado em si poderia se autorregular, sem a intervenção de nenhuma outra entidade. Havia, no mundo todo, uma mudança estrutural da sociedade, causada principalmente pela mudança na economia e no modo de compreender a geração da riqueza.

Adam Smith não foi o único

Compreender todas essas mudanças e seus impactos no mundo não era uma tarefa fácil. 

Diversos autores se aprofundaram nos estudos dos fenômenos daquela época:

➡️ Edmund Burke fez uma análise detalhada sobre a revolução francesa

➡️ Tocqueville, embora autor do século XIX, compreendeu as raízes da democracia americana desde o período da sua independência. 

Já no campo econômico, outros autores foram capazes de identificar as mudanças que ocorriam no comércio e na produção. Entre eles destacaram-se Richard Cantillon e Francis Hutcheson, que fizeram as primeiras contribuições para a economia política. Suas obras contribuíram de formas pontuais, tratando sempre de temas um pouco mais restritos da economia.

Entretanto, foi apenas com Adam Smith que a sociedade ocidental moderna foi descrita, de forma sociológica e econômica, servindo como base teórica para toda a economia política liberal do mundo.

Por trás de A Riqueza das Nações

Foram doze longos anos de escrita para A Riqueza das Nações ser completamente finalizado. Aliás, a obra na verdade tem um título um pouco mais longo: Uma investigação sobre a Natureza e as Causas da Riqueza das Nações. 

O trabalho é uma coleção de cinco grandes livros.

📖 O primeiro livro

O primeiro volume de A Riqueza das Nações explica a mudança e adaptação das forças produtivas do trabalho, e como impactam as diferentes classes sociais. Adam Smith procurou investigar como o aumento significativo na produtividade se deu comparado aos séculos anteriores. Em resumo, para Smith tal fenômeno tem relação direta com a divisão do trabalho. É bastante claro que apenas uma pessoa produzindo qualquer artefato possuiria um rendimento muito inferior comparado ao trabalho dividido entre muitas pessoas.

Essa ideia representava uma mudança significativa do ponto de vista de organização do trabalho, já que concebia uma relação de causalidade entre o aumento na produtividade com um maior nível de especialização. 

Os primeiros donos de fábricas que se basearam no conceito descrito por Smith, viram um resultado nítido: produção maior em menos tempo, e claro, maior riqueza sendo produzida

Logo depois, Adam Smith analisou os impactos decorrentes da divisão do trabalho e concluiu nos apresentando uma decomposição dos componentes que estão embutidos dentro dos preços, como o salário dos trabalhadores, o lucro do proprietário e os custos fixos existentes.

📖 O segundo livro

Enquanto o primeiro livro trata das consequências da divisão do trabalho e sua mudança na organização social, o segundo livro começa a definir o capital, conceito esse que até o período feudal nunca teve destaque. 

Smith define o capital como aquilo que poderá gerar rendimento, e possui 3 subdivisões:

  • O capital imediato é utilizado para o consumo imediato de bens básicos como alimentos e vestuário.
  • O capital circulante é principalmente empregado na compra e venda de produtos com o intuito de gerar lucro.
  • O capital fixo é descrito como o capital reinvestido na fábrica ou empresa com o objetivo de aumentar a produtividade ou aumentar seus lucros. 

Smith coloca o acúmulo de capital como um fator chave para a riqueza das nações. O autor acreditava que o acúmulo faria com que as pessoas reinvestissem o capital, de forma a aumentar ainda mais a produtividade e a riqueza geral da sociedade.

📖 O terceiro livro

Os três livros seguintes procuram justificar aquilo pelo que Smith ficou mais conhecido, que é seu  liberalismo econômico. O final da Idade Média trouxe o avanço dos chamados Estados nacionais, caracterizados pelas monarquias absolutistas e o mercantilismo. 

Embora as estruturas políticas e econômicas tenham se modificado com o final da Idade Média, a mentalidade da sociedade como um todo não possui a mesma capacidade de adaptação, e por isso Adam Smith ainda discorre no seu terceiro livro sobre o final do império romano.

Ele trata sobre a forma como a política de algumas nações privilegia mais as atividades das cidades do que as do campo, como ocorreu notadamente na Europa, e a diferença na forma como as atividades são fomentadas, implicando em diferenças na grandeza de sua produção.

📖 O quarto livro

O seu quarto livro explica como as diferentes políticas econômicas influenciaram as teorias e as nações e os efeitos delas. Nele, Smith mostra que a principal divisão está entre o favorecimento dos que privilegiam a indústria das cidades em comparação com a indústria dos campos. 

A crítica liberal não é apenas ao protecionismo, mas também a qualquer tentativa de intervenção estatal que pudesse modificar as leis de mercado. Smith criticou diversas leis que interferiam no livre comércio, entre elas a lei de 1731 que impediu o livre cultivo do vinho com a justificativa de que havia vinho em excesso e poucos cereais.

De certa forma, as intervenções distorcem as leis de oferta e demanda, desestimulando a produtividade e aumentando seus custos.

📖 O quinto livro

Mas, afinal, para que servem os governos? 

Se os Estados não deveriam interferir na economia com o objetivo de promover o bem estar social, quais seriam as suas funções? Essa resposta é fornecida na última parte de A Riqueza das Nações

Adam Smith percebeu que a divisão do trabalho poderia levar à alienação, prejudicando a saúde do indivíduo. Nesses casos, poderia caber ao Estado estimular o estudo e outras práticas que impedissem que os trabalhadores fossem prejudicados. 

Além disso, o Estado deveria garantir a defesa da nação, para que não fossem invadidas por outros Estados independentes, e a Justiça com o objetivo de garantir a propriedade privada e o cumprimento do contrato, aspectos fundamentais para gerar confiança na sociedade e estimular o comércio.

A Riqueza das Nações ficou para a história

Nunca é demais ressaltar a importância de Adam Smith para a defesa da liberdade e do livre comércio através de um novo sistema econômico movido pelo livre mercado. 

Sua principal obra foi fundamental para acelerar a quebra de velhos paradigmas para que, assim, compreendamos o real caminho para aumentar as riquezas das nações.

Os debates que seu livro causou ainda são pautas discutidas até hoje, principalmente se olharmos para o Brasil, onde questões sobre privatizações, o papel do Estado na economia e até que ponto o governo poderia cobrar impostos persistem na mídia e nos governos.

4.2/5 - (6 votes)

Preencha o formulário para iniciar o download